HOMESCHOOLING NÃO PODERÁ SER ADOTADO PARA FACULDADE

/, Educação em Casa, Educação no País/HOMESCHOOLING NÃO PODERÁ SER ADOTADO PARA FACULDADE

Fonte: Pais e Filhos,

Esse artigo tem como meta discutir acerca da origem e dos prós e contras do homeschooling. A partir de um caso concreto de uma estuande de Sorocaba que foi aprovada na Universidade de São Paulo, mas não pôde se matricular no curso desejado por ter optado pelo homeschooling, buscaremos entender as vantagens e desvantagens dessa prática educativa.

Uma estudante de Sorocaba, no interior de São Paulo, foi impedida pela Justiça de cursar uma faculdade por ter optado pelo homeschooling. Elisa de Oliveira Flemer, de 17 anos, foi aprovada na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), mas, sem o diploma do ensino médio, não pôde se matricular.

A estudante, aprovada também em uma faculdade particular e que conquistou quase mil pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), alcançou, recentemente, o quinto lugar no curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da USP, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). No entanto, o resultado não foi recompensado. Afinal, em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela proibição do ensino domiciliar.

As origens do homeschooling

Segundo a educadora Andrea Ramal, o homeschooling surgiu em outros países para atender à demanda de pais que não estavam satisfeitos com o ensino aplicado nas escolas públicas e privadas. Estados Unidos, Espanha, Chile e Finlândia são alguns dos países adeptos da prática, mas a maioria tem exames para controlar o avanço acadêmico dos alunos.

Problemas do homeschooling

Apesar do sucesso acadêmico de Elisa, a educadora também destacou possíveis problemas de estrutura que não tornam viável o homeschooling no Brasil:

“Há risco de que, dentro de casa, a criança não desenvolva o ritmo necessário para estudo. Imagina que, hoje, seu filho fica na escola por, no mínimo, seis horas e meia desenvolvendo trabalhos acadêmicos. Como os pais conseguiriam aplicar isso em casa? Preocupamo-nos também com os pais displicentes que vão deixar a educação escolar dos filhos em segundo plano”, argumenta.

Se você se interessa por métodos e práticas educacionais, então você não pode perder o artigo “Escolas cívico-militares não são solução para a falta de qualidade de ensino”, em que a educadora Andrea Ramal discorre sobre os limites do modelo cívico militar de educação.

>LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

DIA DA ESCOLA: ANDREA RAMAL FALA SOBRE OS DESAFIOS DA PANDEMIA

15 de março de 2022|0 Comments

Esse texto tem como propósito sublinhar as principais dificuldades encontradas por professores e demais profissionais da educação no retorno às aulas presenciais após dois anos de pandemia. Além disso, pretende assinalar as principais ferramentas pedagógicas para mitigar os estragos causados à educação pela covid-19.  

JORNAL NACIONAL: ANDREA RAMAL FALA SOBRE O RETORNO ÀS AULAS PRESENCIAIS

8 de fevereiro de 2022|0 Comments

Neste artigo a educadora Andrea Ramal discute sobre o retorno às aulas presenciais no município do Rio de Janeiro e sobre as medidas de profilaxia tomadas pela Secretaria Municipal de Educação. Ficou interessado no tema? Então não deixe de ler o texto que preparamos especialmente para você.

PANDEMIA MUDA HÁBITOS DOS CARIOCAS

17 de dezembro de 2021|0 Comments

Este artigo tem como objetivo entender como hábitos educacionais desenvolvidos ao longo de dois anos, em decorrência do avanço da Covid-19 no mundo, tendem a se perpetuar no pós-pandemia e a [...]

2022-04-01T14:28:26+00:00